Total de visualizações de página

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

A Grande Família

Vou começar, explicando o título da postagem: A Grande Família. Por que esse título? Assim, como na trama da televisão, acredito que todas as famílias possuem confusões, brigas e tudo o mais. A minha família não é diferente, tem seus mitos, tem os que tem seus papeis definidos e não os largam por nada, pois os outros membros não deixam.
A família que trato aqui, é a chamada família extensa. Ou seja, a parentada que a gente só vê em dia de festa e dia de velório. Eu, insistia que não fosse assim e ha cada, pelo menos 6 meses eu ia até outro estado para dar um "oi", sem data, sem nada. Sempre fui presente.
Sempre teve muito drama dentro da trama, mas nunca comigo. Eu observava, aconselhava, tentava apaziguar. Dessa vez, foi comigo. Ao contrário do que eu fazia, ninguém apaziguou. Pelo contrário, jogaram mais gasolina, depois que eu já havia partido. Brigaram comigo na minha ausência.
Como se defender num caso de briga na sua ausência? É totalmente impossível! Pois, se a pessoa não fala pra você, não tem como responder. Ou seja, estou morta pra eles e eles morreram pra mim.
Sabe o que é pior? Eu nunca ofendi ninguém, mas estou sendo xingada de sabe-se lá o que (não sei, não estou lá). 
Aqui vai um conselho: Se alguém brigar com você, na sua ausência, é sinal de que não tem coragem de falar na sua cara. Simplesmente, ignore e siga em frente. É o que irei fazer.
Sobre o bafafá, eu gosto mesmo é quando as pessoas perdem a linha, as máscaras caem e elas se mostram como são de verdade. Pena eu não estar lá pra saber o que estão falando.
Sabe aquela máxima de "Se não agrega, não me faz falta"? É bem isso mesmo. A verdade é que nunca agregaram nada, percebo que só eu ia até eles. Tenho uma sobrinha de 6 anos que nenhum deles conhece. Um primo lindo, fofo e doce de 1 ano que ninguém nunca viu, outra de 3 que é uma coisa fofa e alguns deles, também nunca colocaram os olhos nela.
Falta de interesse, se cura com ausência. Eu poderia muito bem fazer a "egipcia", fingir que nada aconteceu e aparecer por lá, quando fosse para um dos jogos das olimpíadas. Mas, sabe de uma coisa? Eu não sou do Egito.